07/04/17

Opinião: "My Life Next Door" de Huntley Fitzpatrick

"«One thing my mother never knew, and would disapprove of most of all, was that I watched the Garretts. All the time.»

The Garretts are everything the Reeds are not. Loud, messy, affectionate. And every day from her rooftop perch, Samantha Reed wishes she was one of them . . . until one summer evening, Jase Garrett climbs up next to her and changes everything.

As the two fall fiercely for each other, stumbling through the awkwardness and awesomeness of first love, Jase's family embraces Samantha - even as she keeps him a secret from her own. Then something unthinkable happens, and the bottom drops out of Samantha's world. She's suddenly faced with an impossible decision. Which perfect family will save her? Or is it time she saved herself?

A transporting debut about family, friendship, first romance, and how to be true to one person you love without betraying another."

Bom dia!! Dá para acreditar que já é outra vez sexta-feira?? O que vale é que hoje o dia está mesmo excelente para pôr as leituras em dia no jardim (e para aproveitar o tempo livre para estar dentro de casa a pôr em dia o blogue! Hahaha!)!

A opinião que vos trago hoje não é da minha última leitura, mas sim da antepenúltima, e é um livro que eu estava bastante curiosa para ler, por já ter lido críticas muito boas acerca dele!

Para começar, as personagens: na minha opinião, as personagens estão muito bem construídas e vê-se a sua evolução ao longo da história. Infelizmente, a única personagem que parece não se desenvolver é aquela que tem um papel fundamental na história, Samantha. Tenho de admitir que as minhas personagens preferidas são os Garretts mais novos (a mãe da Samatha matar-me-ia hahaha). Toda a família tem consistência e é impossível ficar-mos indiferentes à confusão que reina na "porta ao lado" e na união de todos, mesmo nos momentos mais difíceis

Quanto à história principal, a da relação entre Samatha e Jace, é claro que adorei! Não sei se é por cada vez mais estar a gostar deste tipo de livros, mas a verdade é que adoro este tipo de romances para adolescentes que interpretam realmente o que nos vai na cabeça (tal como acontece em Anna e o Beijo Francês). As emoções atribuladas, a confusão e as discussões... tudo isso torna a história mais realista e me faz gostar ainda mais dela!

Um fator que me desagradou, no entanto, foi que a história em si demora a desenrolar-se e o twist acontece apenas a cerca de 100 páginas do final, o que faz com que o leitor sinta que a história termina de forma um pouco abrupta. Na minha opinião, teria sido melhor se a autora em vez de dedicar tantas páginas a descrever/contar coisas monótona e pouco importantes para o desenrolar da história tivesse antes dedicado mais páginas ao que aconteceu no final.

Não deixou de ser uma leitura que me agradou e que me deixou curiosa em relação à pseudo-sequela The Boy Most Likely To, que se foca no futuro de duas personagens deste livro (sem ser Sam e Jace) e que eu quero, sem dúvida, saber como se desenrolou!

Classificação: 3,5/5

1 comentário:

Enviar um comentário