17/04/17

Opinião: "A Rapariga de Antes" de JP Delaney

"«Por favor, faça uma lista de todos os bens que considera essenciais na sua vida.»

O pedido parece estranho, até intrusivo. É a primeira pergunta de um questionário de candidatura a uma casa perfeita, a casa dos sonhos de qualquer um, acessível a muito poucos. Para as duas mulheres que respondem ao questionário, as consequências são devastadoras.

EMMA: A tentar recuperar do final traumático de um relacionamento, Emma procura um novo lugar para viver. Mas nenhum dos apartamentos que vê é acessível ou suficientemente seguro. Até que conhece a casa que fica no n.º
1 de Folgate Street. É uma obra-prima da arquitectura: desenho minimalista, pedra clara, muita luz e tectos altos. Mas existem regras. O arquitecto que projectou a casa mantém o controlo total sobre os inquilinos: não são permitidos livros, almofadas, fotografias ou objectos pessoais de qualquer tipo. O espaço está destinado a transformar o seu ocupante, e é precisamente o que faz…

JANE: Depois de uma tragédia pessoal, Jane precisa de um novo começo. Quando encontra o n.º1 de Folgate Street, é instantaneamente atraída para o espaço —e para o seu sedutor, mas distante e enigmático, criador. É uma casa espectacular. Elegante, minimalista. Tudo nela é bom gosto e serenidade. Exactamente o lugar que Jane procurava para começar do zero e ser feliz.
Depois de se mudar, Jane sabe da morte inesperada do inquilino anterior, uma mulher semelhante a Jane em idade e aparência. Enquanto tenta descobrir o que realmente aconteceu, Jane repete involuntariamente os mesmos padrões, faz as mesmas escolhas e experimenta o mesmo terror que A Rapariga de Antes."


Wook.pt - A Rapariga de Antes
Olá e boa semana a todos!! A minha opinião de hoje centra-se num dos livros mais badalados da atualidade: A Rapariga da Antes.

Este livro foi-me oferecido como as "amêndoas da Páscoa" deste ano e, apesar de o querer ler num futuro próximo, não tinha planos de o ler este fim de semana. Mas a verdade é que estava empancada com dois livros no sábado à tarde com uma ressaca literária enorme e pensei "Bem, porque não ver se este livro é assim tão bom como dizem?". Ainda bem que o fiz! Ontem à tarde terminei-o e fiquei com um misto de emoções difícil de classificar. A Rapariga de Antes deixou-me sem palavras para o descrever e apenas com vontade de ler mais, de saber mais sobre estas personagens!

Para começar, uma das coisas que me agradou neste livro foram os capítulos curtos. Cada vez mais me canso de livros com capítulos longos e que tornam a leitura pesada e pouco apelativa. A Rapariga de Antes é totalmente o oposto: capítulos com cerca de três páginas cada um que quase que nos obrigam a continuar a ler para sabermos o que vai acontecer a seguir com Jane ou o que é que verdadeiramente aconteceu com Emma.

Para aqueles que têm acompanhado a campanha de marketing à volta deste livro sabem que este não é o típico thriller psicológico a que fomos habituados. A começar pelo formulário que os candidatos ao nº1 de Folgate Street têm de preencher às rigorosas regras que têm de cumprir caso sejam selecionados, tudo em A Rapariga de Antes é inovador.

Um dos primeiros aspetos em que reparei mal comecei a leitura foi em como tanto a descrição da casa como das personagens é intercalada entre Emma e Jane, mas sempre com uma sensação de continuidade. Desde o início que nos apercebemos das semelhanças existentes entre as duas personagens principais o que me deixou imediatamente com a pulga atrás da orelha. 

Adorei o facto de as personagens irem sendo descritas em camadas à medida que a trama avança e, mais uma vez, estamos perante um narrador pouco fiável o que nos deixa sempre na dúvida acerca do que estamos a ler.

À medida que avançamos na leitura vamos formando as nossas teorias, apenas para as vermos destruídas mais à frente. As personagens não são quem parecem ser e até à última página (literalmente) não param de nos surpreender: aquela que parecia mais inocente revela-se o oposto e o mesmo se pode dizer da personagem que andei o livro todo a achar ser culpada.

De leitura fácil e compulsiva (afinal li-o em 24 horas), A Rapariga de Antes eleva os thrillers psicológicos a um nível totalmente novo e é impossível não o querer ler!

Depois deste primeiro livro do autor no género, mal posso esperar para os próximos e espero que a Suma de Letras nos continue a surpreender com estes thrillers fantásticos!

Classificação: 5/5

2 comentários:

Inês disse...

Não li quase nada deste post porque estou agora a ler este livro :)

Banal Girl disse...

Parece ser um livro muito interessante :)
Gostei bastante da resenha!
Um beijinho <3
www.the-banal-girl.blogspot.com

Enviar um comentário